Cerca de 10 milhões de brasileiros têm osteoporose e a maioria não sabe | Jornal Vicentino

Cerca de 10 milhões de brasileiros têm osteoporose e a maioria não sabe

Artigo   0 Comentário
Espaçamento entre linhas+- ATamanho da Fonte+- Imprimir este artigo
Cerca de 10 milhões de brasileiros têm osteoporose e a maioria não sabe

A população brasileira está envelhecendo e, por conta disso, o número de pessoas com doenças relacionadas à idade aumenta. É o caso da osteoporose. A enfermidade atinge 10 milhões de pessoas no país, segundo estimativa da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF). Mas a maioria dos afetados não sabem que a tem. As mulheres são as que mais sofrem com este mal, como relata Luiz Augusto Russo, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).
— A osteoporose atinge principalmente 25% das mulheres com mais de 50 anos e que passaram pela menopausa. Ela é uma doença grave porque a pessoa só sente dor quando apresenta a fratura. Neste período é comum quebrar o punho e a coluna. Os homens também são afetados: 10% deles sofrem da doença, que é ainda mais grave do que nas mulheres, pois a faixa etária deles é de 65 anos — afirma.
Esta é uma doença metabólica que enfraquece os ossos. A cada 7 a 10 anos, nosso corpo renova toda sua estrutura óssea e a osteoporose prejudica esta a nova formação.
— Os nossos ossos estão em constante renovação e para isso nós temos células que retiram o “osso velho” (reabsorção óssea) e outras produzem “ossos novos” (formação óssea). A falta de estrogênio nas mulheres e testosterona nos homens aumentam a reabsorção e deixam os ossos enfraquecidos — explica Francisco Paranhos, médico ortopedista da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso).
Em estágio mais avançado, a osteoporose pode causar problemas graves, como a fratura do colo do fêmur (quadril). Quando sobre este tipo de fratura, o idoso normalmente fica incapacitado de andar.
Prevenção é o melhor tipo de tratamento
Para evitar que os ossos fiquem enfraquecidos é fundamental manter uma dieta balanceada e rica em cálcio. O ideal é que o leite seja consumido ao longo de toda a vida. As mulheres, a partir dos 40 anos, e os homens, dos 50, devem redobrar a atenção quanto à ingestão de cálcio, como alerta o ortopedista Marcello Serrão.
— A prevenção é mais eficaz do que o tratamento, pois ele interrompe o processo, mas não consegue recuperar a densidade óssea perdida. A osteoporose não tem cura, por isso é preciso evitar o consumo de excesso de café, de cigarro e de álcool, que são fatores de risco.
O diagnóstico da doença é feito, principalmente, por meio do exame de densitometria óssea. Hoje, Dia Mundial da Osteoporose, a Densso Clínica (2537-7944), em Botafogo, fará este exame pelo valor de R$ 50. Já a Abrasso faz os testes do Calcâneo e de Frax, gratuitamente, até domingo, no Campo de São Bento, em Niterói, das 9h às 17h.
O tratamento pode incluir o uso de medicamentos, caso a doença esteja em um estágio avançado.
— Como tratamento não medicamentoso, são adotadas medidas gerais de redução dos fatores de risco modificáveis. Orientamos a adoção de uma dieta balanceada e rica em cálcio, da prática de exercícios, da exposição regular ao sol e da prescrição de cálcio de vitamina D, quando necessária — pontua Paranhos.

Artigo   0 Comentário

Clique na capa e veja a versão impressa

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A VERSÃO DIGITAL DESTA QUINTA-FEIRA (16/11) DO JORNAL VICENTINO

large-1897475-1


EDIÇÕES ANTERIORES - CLIQUE AQUI



Enquetes

Desculpe, não há enquetes disponíveis no momento.